História dos Shriners

Shriners International é, em seu nível mais básico, uma fraternidade.

Tudo começou em Manhattan em 1870, quando alguns membros da fraternidade considerada a mais antiga do mundo - Maçonaria - estavam em sua taverna favorita sem fazer nada de especial. Eles sentiram que a Maçonaria, cujas raízes se formaram a partir dos pedreiros e artesãos da Idade Média, era demasiadamente focada no ritual. Esse pessoal queria uma fraternidade que evidenciasse a diversão e o companheirismo.

Dois desses cavalheiros - Walter M Fleming, M.D., e Billy Florence, um ator - tiveram essa ideia e colocaram-na em execução. Florence veio com a ideia de uma festa com o tema Oriente Próximo depois de participar de uma festa de um diplomata árabe. Fleming acrescentou a estrutura, elaboração do nome da fraternidade, ritos de iniciação, rituais e regras. Juntos, Fleming e Florence desenharam o símbolo da fraternidade, inventaram uma saudação e determinaram que o barrete vermelho com a borla negra passasse a ser o chapéu oficial do grupo.

A primeira divisão, Mecca Shriners, reuniu-se em Nova York em 1872. Como estava se tornando conhecida como uma organização emergente, a adesão cresceu rapidamente, se espalhando por todos os EUA No início de 1900, a adesão se espalhou pelo Canadá, México e Panamá. Hoje existem cerca de 340 mil Shriners pertencentes a 193 divisões nos Estados Unidos, México, Filipinas, Porto Rico e República do Panamá.